O ato “Por comida, por vacina e pelo auxílio emergencial já” uniu organizações, seguindo o movimento de demais cidade no Brasil.

Exigindo ampla cobertura de vacinação contra o Covid-19 e pela manutenção do auxílio emergencial de R$ 600,00, a Coalizão Negra por Direitos reuniu nesta quinta-feira (18.02), na Praça da Mandioca, localizada no Centro Histórico de Cuiabá, representantes de organizações negras de Mato Grosso. O evento teve início às 17h30, e contou com a apresentação e assinatura de uma carta assinada pelas representações e que deve ser entregue à Deputada Federal Rosa Neide (PT). 

Com falas de denúncias ao racismo e ao descaso em relação à crise sanitária que vem impactando nas desigualdades brasileiras, as organizações presentes gritavam também pelo “Fora Bolsonaro”. Durante a fala dos participantes, foi evidenciada a atuação do presidente da república, que segundo os discursos, não governa para os pretos e pobres do país. 

O ato foi realizado em frente a Casa das Pretas, localizada no centro da capital. | Foto: Com_Texto

A vereadora Edna Sampaio (PT), também compareceu ao encontro. Com discurso firme de questionamento à gestão municipal de Cuiabá, ressaltou a importância de políticas de amparo aos cuiabanos que mais sofrem com as consequências da Covid-19. A vereadora lembrou ainda, dos impactos negativos da realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) durante a pandemia, em meio às adversidades de biossegurança e exclusão social.  

“O que estamos vivendo é um retrocesso para o povo preto. Vínhamos conquistando alguns espaços, como a universidade, e alcançando uma mobilidade social importante. Agora, diante dessa encruzilhada histórica, é preciso reagir. Falo enquanto uma mulher preta, que faz parte de tudo isso”, ressaltou a parlamentar.

A vereadora afirmou que já existe mobilização política em nível municipal para manutenção dos auxílios na capital. | Foto: Com_Texto

Não é mais novidade que a Covid-19 ressaltou os índices de disparidades sociais no Brasil. De maneira que a população negra vem sendo destaque em rankings de boletins e estudos acerca do óbitos e desamparo econômico causados pela pandemia. Em Cuiabá, o negros representam cerca de 70% das vítimas. Por esses motivos surgiu a necessidade de ir às ruas e se posicionar contra essa realidade, destacou o presidente da UNEGRO Pantanal – Mato Grosso, José Pereira Filho.

“O objetivo aqui é que nosso povo saia da miserabilidade e da pobreza, que tenha mais acesso à espaços políticos de poder. Por isso estamos neste ato, pelo povo da periferia de Cuiabá e de Mato Grosso. Exigimos auxílio emergencial e vacina para que o povo preto pare de morrer”, afirmou o presidente da UNEGRO.

Trecho da carta assinada pelas organizações presentes no ato. | Foto: Com_Texto

Com o título “Aprovação de Projeto de Lei para estabelecimento do auxílio emergencial à população economicamente vulnerável”, a carta apresentada deve ser encaminhada para a Deputada Federal ainda esta semana. Valendo-se destes princípios, a Coalizão Negra por Direitos serve-se do presente para solicitar a Vs. Exa esforços de articular, juntamente com a Bancada Federal, para garantir na Câmara dos Deputados e no Senado Federal a manutenção da política de auxílio emergencial para a população economicamente vulnerável, em especial do Estado de Mato Grosso”, diz parte do documento. 

No ato estavam presentes o Movimento Negro Unificado (MNU), Coletivo Negro Universitário (CNU), Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso (IMUNE-MT), União de Negros pela Igualdade (UNEGRO) e da União da Juventude Socialista de Mato Grosso (UJS).